23 de março de 2011

Pretérito perfeito X Infinitivo

Muita gente está ficando confusa ao usar o pretérito perfeito do indicativo na primeira pessoa do singular. Ou será que a dificuldade está em usar o infinitivo? Não sei. Mas andam trocando as bolas:

"Eu sentir isso na pele." (em vez de "eu senti isso na pele")

"Agora eu conseguir entender." (em vez de "agora eu consegui entender")

Estranho, não? Mas acontece muito por aí. As regras do uso do infinitivo flexionado são, realmente, meio complicadas, mas não é esse o caso. Acho que, aqui, problema é pontual, já que só vejo acontecer na mesma pessoa, no mesmo tempo verbal e na mesma conjugação (a 3ª). É muito interessante, pois nunca vi ninguém escrever "eu estudar muito ontem", por exemplo, mas já vi muitas frases do tipo "eu sorrir muito ontem".

A solução mais simples é tentar substituir o verbo terminado em ir por outro terminado em ar. Por exemplo, se você não escreve "eu estudar muito ontem", não tem sentido escrever "eu curtir muito ontem"."Eu estudei (passado) muito ontem" e "eu curti (passado) muito ontem" são frases bem mais bonitinhas.

Engraçado, agora que estou terminando o post,  lembrei que as pessoas estão escrevendo estar no lugar de está, e também esquecem de colocar o r no final da palavra quando é preciso. Será que a dificuldade estar está no infinitivo? Humm sinto que este post vai precisa  precisar de atualização.

Uma amiga linguista (íntima de Chomsky, diga-se de passagem) disse que o fenômeno acontece porque as pessoas tendem a escrever como falam, e a verdade é que a maioria dos brasileiros não pronuncia o r no final das palavras. Por outro lado, sabem que alguns verbos terminam em r, então, trocam tudo. Colocam o r onde não devem e deixam de colocar onde devem. Sendo assim, o mais importante é tentar entender o que se fala. Fica muito mais fácil. 

Vou "acionar alguns contatos" para ver se consigo dar didática ao post. Inté!


Atualização:


Quanto ao verbo estar, pode-se usar a mesma sugestão dada sobre os verbos terminados em ir: é só substituí-lo por outro verbo terminado em ar ou er.


Quanto aos verbos que têm o r "esquecido", só consigo lembrar daqueles que fazem o futuro com o verbo auxiliar ir. Então, se você for falar sobre o futuro da forma mais popular ("eu vou fazer", em vez de "eu farei", por exemplo), lembre-se que o verbo principal permanece no infinitivo impessoal. Conjuga-se apenas o verbo auxiliar.


Eu               vou fazer
Você     
Ele               vai fazer
A gente
Nós             vamos fazer
Eles             vão fazer


Nada de "ele vai faze", "nós vamos parti" etc. Nem no msn, nem no twitter. A linguagem da internet permite muitas coisas, mas tudo tem limite.




"É importante saber, para errar com propriedade."

9 comentários:

  1. No caso da confusão “ele está” vs. “ele estar”, temos o problema adicional de que o verbo ESTAR, na 3a pessoa do singular, tem como sílaba tônica a última “ele esTÁ” enquanto os outros têm a antepenúltima tônica “ele CANta/BEbe”.

    Por isso é fácil ficar em dúvida se esse “está” não seria com um -R no final, mas é bem mais raro escreverem “ele cantAR muito”. Uma boa dica é fazer o procedimento semelhante, de trocar o “está/estar” por um outro verbo em -AR ou mesmo em -ER (cantar, beber).

    ResponderExcluir
  2. Valeu Rerisson! Vou atualizar essa parte.

    ResponderExcluir
  3. Rafa, faz um post depois ensinando que CANTARAM não é futuro e que CANTARÃO não é passado, pelo amor de deus!!!! rs

    ResponderExcluir
  4. Poxa, Rafa a-do-rei (espero ter separado certo e colado o "r" do "ter" certo)o seu blog vou visitar mais vezes, sou péssima em português mas gosto de estudar algumas coisas e esse assunto do infinitivo foi ótimo. Acho o português uma das línguas mais difíceis,e gostaria muito que você falasse um pouco sobre preconceito linguístico, você não sabe como é difícil escrever para pessoas como vocês, mas gosto de aprender com meus erros (de português) que são muitos.

    bjs.

    Lila (irmã de Luci)

    ResponderExcluir
  5. Lori, adorei a sugestão. Farei-o-o! hahaha

    Lila, já escrevi outros posts sobre a LP. Procura o marcador "língua" q vc vai encontrar mais umas coisinhas. Tmb tenho inúmeras dificuldades, não vou mentir. Mas, se tem uma coisa q admiro é ver um texto bem escrito. Sempre q encontro "fenômenos" desse tipo, tenho vontade de esclarecer as coisas. Da mesma forma, gostaria de encontrar um blog explicando as minhas dúvidas.

    Sobre o preconceito linguístico, acho q vou demorar bastante p/ escrever um texto sem ser mal interpretada e parecer preconceituosa rsrs, mas prometo q vou tentar.

    Ah! Bota sua irmã pra trabalhar! "Em casa de ferreiro, o espeto é de pau", né? hehe

    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Caramba... ontem mesmo eu estava comentando sobre isso aqui em casa. De uns tempos para cá, essa confusão tem se tornado cada vez mais comum.
    Acho que tem relação com o que o Rerisson escreveu, isto é, a pronúncia. Em boa parte do país existe esse costume de "engolir" o R final das palavras.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Rafa, acho que não tenho mais nenhuma contribuição a dar. Seu post está esclarecedor. Espero que meus alunos leiam isso aqui. rs

    bjim

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Vim parar aqui lendo o blog da Luci, o Ponto de Exclamação. Amo português e fiz alguns cursos especiais quando me preparava para concurso público. Para mim não tem nada melhor que ler algo bem escrito e me lembro bem da professora que tive no antigo 1o cientifico que falava: "português se aprende lendo". Nunca mais esqueci disso. Amo ler, amo escrever, e aos poucos, no meu blog, vou soltar esse meu lado também, pelo menos assim espero.
    Estou te seguindo, com muito prazer.
    Beijinhos e uma semana maravilhosa
    Com carinho

    ResponderExcluir
  9. éeeeeeeeeee....
    legal!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...